O primeiro jornal fast-news do Nordeste
JUAZEIRO DO NORTE - CE
JUANORTE
O Think Tank da Metrópole do Cariri
Capa    06/08/2017  Edição 431

FESTA DA MÃE DE DEUS

Estamos no período preparatório para a celebração da festa da Mãe de Deus, Nossa Senhora das Dores que é não apenas padroeira da Matriz do Juazeiro, mas dona e senhora absoluta de toda a cidade de Juazeiro. Portanto, 15 de setembro é uma data muito especial não só para a terra do Patriarca do Juazeiro, mas para toda a Nação Romeira espalhada pelo País inteiro e já com sólidas raízes plantadas em muitas partes do mundo inteiro, indicando assim que Juazeiro, a Roma dos pobres e dos desvalidos, já é universal.A simbólica capelinha do padre Pedro Ribeiro, consagrada a Nossa Senhora das Dores no sítio Joaseiro, foi construída 1827 por escravos em suas horas de folga ou lazer e que, como recompensa pelo trabalho e labor, lhes fora outorgado carta de alforria a todos os escravos do distrito Tabuleiro Grande. Esse é o prelúdio da grande sinfonia que viria a ser a história de Juazeiro: Joaseiro não tem escravos e todos os devotos de Nossa Senhora das Dores são livres. É sob o manto protetor da liberdade que o humilde e pobre povoado do Joaseiro ingressa na História. O segundo capítulo da maravilhosa história desse povoado está registrado em documentos de fé-pública, registrados em Cartório, que é a doação feita pelo padre Pedro Ribeiro a Nossa Senhora das Dores da fazenda joaseiro. A partir daquele momento, de direito e de fato, tornou-se sa Terra da Mãe de Deus. Marcha a história com suas maravilhas e encantamento. A Terra da Mãe de Deus precisava de um gestor e de um pastor dedicado, quando em 1872, o padre Cícero Romão

Batista, recém-ordenado sacerdote, veio a Juazeiro imaginando apenas celebrar a Missa do Natal, conforme o calendário litúrgico da celebração do nascimento do Menino-Deus, feito homem, para redimir o mundo inteiro. Os planos da Providência Divina, no entanto, eram outros. Naquele espaço simbólico ocupado pela capelinha e pela diminuta escola, deu-se o "sonho fantástico" em que o próprio Coração de Jesus ladeado por todos os seus discípulos surgiu diante do padre Cícero e determinou que ele tomasse conta de todos os flagelados, de todos os excluídos, que buscassem na Terra da Mãe de Deus paz, tranquilidade, perdão e meios de subsistência para viver com dignidade os ensinamentos dos Santos Evangelhos com a doutrina da Igreja Católica. Fixada sua residência no pequeno povoado o Padre Cícero dedicou-se inteiramente a cuidar de seu povo quer nas necessidades materiais quer nas necessidades espirituais. Era um apostolado feito com amor, dedicação e desvelo para que nenhuma ovelha de seu rebanho se perdesse. A pequena capelinha, construída pelo padre Pedro Ribeiro, já estava então ficando pequenina porque o afluxo de fiéis aumentava quase mês-a-mês para ouvir a palavras daquele missionário que já se tinha tornado o Padrinho de todos os sertanejos. Um imenso mutirão de sertanejos, trabalhando dia e noite, ampliou e muito a igrejinha, dando-lhe dimensões grandiosas. Foi nela que, em 1889, deram-
Foto: Romeiros na Basílica do Juazeiro
se " os fatos maravilhosos" com a Beata Maria de Araújo, quando a "hóstia consagrada", na hora da comunhão tornava-se "sangue vivo" ao tocar os lábios da humilde Beata Maria de Araújo.A notícia desses fatos maravilhosos não puderam ficar contidos apenas no pequeno povoado de Joaseiro e se espalhou pelo mundo, enfrentando mesmo o forte e decisivo empenho da burocracia da Igreja Católica, contando ainda com o apoio do Estado Brasileiro, não conseguiu e nem pode calá-los. Consolidou-se no imaginário popular que Juazeiro é a Meca dos Sertanejos e a Roma dos pobres e dos excluídos.Durante quase um século as celebrações festivas em homenagem a Nossa Senhora das Dores foram promovidas exclusivamente pela população cristã laica, pelos beatos e beatas, pelos romeiros de todos os sertões nordestinos porque o clero era desaconselhado de participar das romarias a Juazeiro, tidas até bem pouco tempo como sacrílegas. Foi somente depois que o Padre Francisco Murilo de Sá Barreto assumiu como vigário titular a Paróquia de Nossa Senhora das Dores é que as romarias passaram a ter assistência religiosa, a deslumbrante Novena de Nossa Senhora fosse conduzida pelo vigário.Desde sempre os pobres, os excluídos,os flagelados, os miseráveis são o povo de Deus e a missão do Padre Cícero foi de acolhê-los todos aqui para a maior glória de Deus. A novena e a romaria de Nossa Senhora das Dores é a grande festa do povo romeiro. Nesses momentos difíceis porque passa o mundo a Igreja, representada pelo seu clero, deve abrir o seu coração para acolher todos os romeiros e devotos do Padre Cícero. . ..
LOCALIZAÇÃO